Beatriz Forti e a Galeria Umcebo tem o prazer de apresentar a exposição
Experiencities: Brésil – France, que terá início no dia 12 de janeiro de 2017, aberta até o 17 de fevereiro de 2017.
Vernissage : quinta 12 de janeiro, das 19h às 22h
Artistas convidados: Lucia Guanaes | Marc Dumas | Raphaëlle Faure-Vincent | Swann Devlin |
Ulysses Boscolo

carton-experiencities-bdf2

A mostra reúne obras de cinco artistas, dois brasileiros que trabalharam na França e três
franceses que produziram no Brasil. Compartilham o desejo de deixar sua cidade natal para
descobrir uma nova cidade, seja São Paulo, Rio de Janeiro ou Paris. Motivados pela
novidade e pelo desconhecido, buscaram viver uma experiência completa para poder criar
livremente sob a influência de novas culturas.
Cada artista convidado desenvolve técnicas e abordagens próprias, mas todos ressaltam a
forte influenciada recebida das paisagens estrangeiras. Suas obras estão cheias de
referências à nova vida, à nova cidade, aos encontros com as pessoas locais e suas
tradições.
Brasil e França: dois países representados pela origem desses artistas, naturais de
diferentes cidades. Seus olhares sobre os aspectos urbanos dessas cidades criativas,
efervescentes e culturalmente ricas, alimentam nossa curiosidade. Você está convidado a
experimentar as sensações vividas por eles e as criações sobre estas comunidades que eles
escolheram para explorar.
Informações práticas
Horários : de quinta à sábado, das 14h às 19h.
Endereço : 102, Boulevard Diderot, 75012 Paris – Metro : Reuilly Diderot

Curadoria : Beatriz Forti
bf.artparis@yahoo.com
+ 33 7 82 53 27 44

 

LUCIA GUANAES

Lucia Guanaes nasceu em São Paulo, Brasil. Após o golpe de 1964, que estabelece uma ditadura militar no país, seu pai é forçado a se exilar na França, enquanto sua família permanece no Brasil. Aos 22 anos Lúcia deixa o Brasil para se estabelecer na França. Em 1983, ela se forma em comunicação visual pela, e cria junto com seu companheiro Marc Dumas, o estúdio de design gráfico Tout pour Plaire.
Em paralelo, Lúcia Guantes e Marc Dumas realizam projetos mais pessoais que dão origem à publicações
experimentais como Comme à la télé, livro de retratos e desejos para o Ano Novo, Clebs, calendário dito de “cachorrinhos”, Inventaire d’une poubelle, investigação fotográfico-policial a partir do conteúdo de uma lata de lixo, e enfim Os amigos dos amigos dos meus amigos, espécie de jogo em tempo e espaço real, resultando em uma exposição
coletiva.
Lucia se dedica à fotografia de maneira assídua e intensa. Em 1986, retorna ao Brasil depois de quase
dez anos de ausência e realiza Brasil-Brésil, percurso pessoal em preto e branco de seu país natal,
publicado em 1989 pela Editora Marval. Entre 1996 e 1999, ela realiza o CD-Rom Au coeur de
Bahia, sobre o centro histórico de Salvador, que recebeu em 2000 o Grand Prix Möbius América
Latina e o Prêmio Especial do Júri no Prêmio Internacional Möbius.
Sempre mantendo um pé no Brasil, Lucia realiza em seguida Transfigurações, sobre o fenômeno do
travestismo no carnaval da Bahia, Paranapiacaba sobre a vila de mesmo nome, Fronteiras
do mar sobre o espaço urbano nas cidades litorâneas e Popular sobre as diferentes faces da cultura
popular brasileira. Em 2013, ela publica em coautoria com Marc Dumas o livro São Paulo de todas as
sombras que reúne imagens tiradas a partir da janela de onze hotéis no centro da cidade de São
Paulo.
lucia-guanaes-photo-sao-paulo-de-todas-as-sombras-bresil

MARC DUMAS

Marc Dumas é francês, tendo nascido em 1955 na cidade de Mureaux. Em 1977 muda-se para Paris e se forma em comunicação visual pela École Nationale Supérieure des Arts Décoratifs. No mesmo ano conhece a brasileira Lucia Guantes e faz com ela sua primeira viagem ao Brasil, ocasião em que visita São Paulo, Rio, Salvador, as cidades coloniais de Minas Gerais, Brasilia, Fortaleza, Recife e Belém. Em 1983 funda Tout pour Plaire, atelier de multimídia e design gráfico especializado em projetos culturais.Em 1998 Marc beneficiou de uma bolsa de pesquisa em multimídia concedida pelo ministério da cultura.Ele desenvolve uma produção paralela em fotografia e artes plásticas. Nos últimos anos
produziu várias séries fotográficas como Voyage autour de ma table (Viagem em volta de minha mesa), coleção de objetos presentes em seu quotidiano cujo valor simbólico exprime sua relação com o mundo; Porto da Barra, onde “diretamente de uma das praias urbanas mais excepcionais do Brasil”, ele estuda o horizonte, os banhistas e os movimentos do mar; Cargueiros e Ikaros, ambas realizadas em Salvador; e finalmente São Paulo de todas as sombras realizada em parceria com Lucia Guantes e Diógenes Moura. Desde sua primeira viagem, Marc Dumas visita regularmente o Brasil e a partir de 2001, Salvador foi eleita sua segunda residência, onde viaja duas vezes por ano

RAPHAELLE FAURE-VINCENT

Raphaelle nasce em Viriat, França, em 1986. Formas na Escola de Belas Artes de Annecy (França).
Adquire a licença (DNAP) em 2007 e obteve seu diploma DNSEP (Diplôme National Supérieur d’Expression Plastique) na mesma escola em 2009.Em 2008 recebeu uma bolsa de estudo (Explora:bolsa regional) para realizar um estágio no
estrangeiro. O país escolhido para desvendar foi o Brasil, onde se encanta por sua música, paisagem,
cultura e principalmente pela cidade de São Paulo,local de residência artística. Algum tempo depois,
ela faz outra residência na Fundação Armando Alvares Penteado e expõe em diversas galerias. A artista percebeu que teria oportunidades em São Paulo, onde decidiu ficar desde 2010, quando começou uma pesquisa sobre a arte urbana, e continua até hoje. Ela é agora membro do Atelier Piratininga.
Raphaelle propõe uma observação poética, lúdica e ao mesmo tempo crítica da cidade, usando materiais encontrados nas ruas. Procura utilizar o espaço público como um laboratório de experiências tanto estéticas e poéticas, como, por vezes, políticas.
raphaelle-faure-vincent

SWANN DEVLIN

Swann Devlin é um artista francês-Caribbean nascido no Brasil. Depois de uma infância entre Brasil, Haiti e
Martinica, sua trajetória passa por Paris e pelo cinema do real, por meio de realizações próprias,estudos e publicações em revistas e jornais nacionais. Através da tradição francesa do documentário criativo, ele descobriu muitas
possibilidades criativas usando escrita, vídeo, pintura e fotografia. Nos últimos anos fez diversas viagens
entre mundos distintos como New Orleans, Buenos Aires, São Paulo e Rio de Janeiro.
Ele representou um médico louco em um teatro de Nova Orleans, onde também ensinou francês, e imergiu na cultura dos índios do Mardi Gras.
Segundo o artista, “a tentação e o processo estão sempre rodeadas pelo local e social, entre artístico
e pedagógico, entre o poético e o político.”
Em sua performance Go Down Moses, a privacidade e dança tomam o poder, especialmente com a
influência de Pina Bausch e o texto de Walt Whitman, em um universo de ilhas isoladas. Sejam elas
mais íntimas do autor, como as ilhas do Atlântico, ou mais distantes como as do Pacífico, o
arquipélago está sempre presente em suas propostas artísticas. Vozes em diferentes línguas,
imagens originais, textos autorais, música « ao vivo », uma combinação entre teatro documental e
foto performance que o artista busca perseguir e reinventar.

swan-delvin

ULYSSES BOSCOLO

Ulysses Boscolo de Paula nasceu em São Paulo em 1977. Estudou artes plásticas na FAAP, e em seguida cursou o programa de mestrado em Poéticas Visuais da Universidade de São Paulo.
Encantado por livros de arte e por seu desenvolvimento na arte contemporânea, sua tese discute a ilustração direta e simples (usando a linguagem gráfica da xilogravura) sob a forma de um álbum (em pequena escala) preenchido com imagens da natureza e do tempo, realizadas em folhas de papel japonês, alguns coloridos à mão.
Ele trabalha principalmente com pintura, gravura em madeira, gravura em metal e fez ilustrações em tinta. Ele ilustrou diversos livros, como Os Irmãos Karamazov, Dostoievski, da editora 34, entre outros. Ulysses é membro do Atelier Piratininga desde 2010, onde leciona desenho e gravura.
Em 2007, o artista expos em Nova York, através da galeria Gravura Brasileira. Em 2012, recebeu o prêmio de residência da 15a Bienal Internacional de Gravura em Sarcelles, na França. No mesmo ano,frequentou um programa de mestrado em artes visuais pela ECA-USP, e participou na exposição 4 Ensaios Gráficos na Estação Pinacoteca, repetindo em 2013. Ele produziu um projeto para o Clube de colecionadores do Museu de Arte Moderna de São Paulo. No primeiro semestre de 2015, fez uma residência na Cité Internationale des Arts em Paris, França, onde produziu inúmeras gravuras e matrizes influenciado pela cultura na capital francesa.
ulysses-bosco

bf

Beatriz Forti é uma arquiteta brasileira e jovem produtora cultural que tem o interesse em descobrir e promover artistas que também desvendam caminhos além de suas origens. Através da criação desses artistas, ela busca explorar nesse projeto a influência causada por uma outra cultura. Sua bagagem de arquiteta e estrangeira é refletida ao convidar artistas que produzem no exterior e são particularmente atentos ao contexto urbano.

A galeria UMCEBO inaugurou no outono de 2016, sob a coordenação de Safy e Cyrille Varet. Engajados há quinze anos em ações humanitárias na África, Safy e Cyrille reuniram em torno de sua associação, Dessine l’Espoir, artistas e criadores sensíveis à sua abordagem. Neste pequeno espaço, dedicado principalmente à exposições de fotografia em torno de temas relacionados com o compromisso pessoal dos proprietários (questões sociais, ambientais e aproximação entre culturas), recebem colaborações originais de artistas de todas as origens.